Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2008

FAVORITOS DEMENTIA 13 DE 2008

Aqui estão os melhores filmes de 2008. Faltarão alguns que não vi, mas acho que é o essencial entre os que consegui ver, inclusive alguns que ainda não foram lançado nos cinemas brasileiros (e nem sei se vão):

20. O ESCAFANDRO E A BORBOLETA, de Julian Schnabel: Porque nem só de filmes de gênero vive o ser humano... E este aqui emociona com força, e sem precisar anular os clichês da ocasião, embora seja talhado com bastante cuidado. Estéticamente perfeito. E prender a atenção do espectador narrando através de um olho de um sujeito inválido não é pra qualquer um...

19. PARANOID PARK, de Gus Van Sant: Outro que foge à ideologia do blog, sorry, não pude evitar. Mas é realmente muito bom. Van Sant dá sequencia a seu cinema autoral, iniciado em GERRY, agora para entrar na cabeça de um adolescente e acompanhar narrativamente seus conflitos psicológicos diante de um fato que sucede. O ritmo, os sons são marcações que mapeiam o estado psicológico do garoto, que é um retrato do jovem americano al…
Um Feliz Natal para todos que visitam a bagaça aqui!

MY NAME IS BRUCE (2007), de Bruce Campbell

Engraçado que na mesma época que eu vejo JCVD, onde um ator interpretando a si mesmo faz uma espécie de análise a sua figura (no caso Jean Claude Van Damme), eu acabo me deparando com este filme, realizado no ano passado, que possui um pouco da mesma essência. E é só um pouco mesmo, embora Campbell, que também dirigiu o filme, interprete ele mesmo, MY NAME IS BRUCE serve mais como um pastelão que mistura comédia com horror numa divertida homenagem aos filmes B do que um estudo de sua persona. Na verdade, o filme não passa de um besteirol que não tem a menor pretensão de ser o que um JCVD é, por exemplo.

A começar pela história: o ator Bruce Campbell é sequestrado por cidadãos de uma pequena cidade que suplicam por sua ajuda para enfrentar um lendário demônio oriental que acordou no cemitério do lugar depois de não sei quantos anos aprisionado. Enquanto isso, Bruce pensa que tudo se trata de seu novo filme, uma brincadeira de seu agente, que lhe prometeu uma surpresa em seu aniversário.…

ROVDYR (2008), de Patrik Syversen

Eu sei que muita gente já está de saco cheio desses filmes de horror moderninhos onde os malvados fazem jogos sádicos com suas vítimas para que o ato de assassinar se torne algo mais divertido, eu imagino, como é o caso do subgênro do qual um grupo turistas viaja não sei pra onde e acaba em perigo no meio de uma floresta sendo caçado por um bando de loucos caipiras da região. Mas quando alguém consegue pegar essa idéia central e transformar em um bom survival horror film, o mínimo a fazer é elogiar.

O que é difícil de acontecer é sair algo interessante das produções americanas, mas fiquem tranqüilos que o negócio aqui saiu da Noruega. RODVYR não possui absolutamente nada de original (e a história é exatamente aquilo que eu disse ali em cima, incluindo os mesmos clichês de sempre), mas a forma como é conduzido com uma crueza, um realismo sufocante, que o torna superior em relação aos outros filmes da mesma espécie. É econômico, sem embromação, muito bem decupado em seus 78 minutos, com…

PAVOR NA CIDADE DOS ZUMBIS (Paura nella città dei morti viventi, 1980), de Lucio Fulci

Praticamente um ano depois de dirigir sua obra-prima, ZOMBIE 2 (79), o diretor italiano Lucio Fulci foi para os Estados Unidos onde se firmou e realizou um bom número de filmes, como PAVOR NA CIDADE DOS ZUMBIS. E já pelo título deste, nota-se que Fulci continuou a explorar o tema dos mortos vivos que povoam a terra e etc. Mas, além disso, tentou desenvolver um estilo que envolvesse mais elementos de horror do que somente zumbis que brotam do nada, diferente do seu filme anterior que, por mais que tenha explicações do surgimento dos zumbis, possui uma certa ligação com o cinema de George A. Romero.
Esta tentativa de se criar o novo, um experimentalismo pulsante e genial que dá todo o sentido de existir do cinema de Fulci, infelizmente acaba não dando muito certo por aqui. Mas graças ao bom Deus, o diretor amadureceu a idéia e filmou THE BEYOND (81) onde obteve resultados muito mais excelentes. PAVOR NA CIDADE DOS ZUMBIS pode ser considerado um esboço de THE BEYOND, mas por favor, de ma…

e na revisão de RAMBO...

Ainda vai chegar o dia em que será reconhecido como obra-prima do cinema. E de quebra, vão perceber que Sylvester Stallone é um excelente ator.

JCVD (2008), de Mabrouk El Mechri

Jean Claude Van Damme, assim como Steven Seagal, Dolph Lundgren, Chuck Norris (e muitos outros), é desse tipo de ator que estabeleceu uma certa imagem dentro do cinema: dos homens de ação, atores sem talento que utilizam seus corpos em personagens vazios apenas para chutar bundas e metralhar vagabundos sem piedade. Mesmo que tudo isso não seja verdade, e vejam bem, não reclamo deste tipo de filme, sempre há aqueles exemplos divertidíssimos e o próprio Van Damme estrelou alguns que eu adoro, como CYBORG – O DRAGÃO DO FUTURO e SOLDADO UNIVERSAL.

Van Damme já passou por tudo nessa carreira. Teve altos e baixos, problema com drogas e etc. Em JCVD, o ator põe a cara a tapa para fazer uma análise não só da sua persona como estrela cinematográfica, mas como ser humano. O filme propõe mostrar este Van Damme feito de carne e osso (interpretando a si mesmo) reclamando que já está velho demais para realizar certas seqüências quando um longo plano seqüência de ação fica uma porcaria e é preciso f…
Primeiramente gostaria de agradecer pelos comentários do último post. Para mim, foram de grande valor. Apresentei ontem minha monografia e passei com uma nota excelente.

Nesses últimos meses acabei assistindo poucos filmes e acumulei uma enxurrada de títulos baixados. Segue uma pequena amostra do que eu tenho aqui e pretendo ver nos próximos meses, aliviado...